28 de abr de 2017

UM DESFECHO SURPREENDENTE

Como poderemos aferir o resultado desse movimento de hoje que estão chamando de greve geral? Eu vos dou uma dica: pelo pronunciamento de Temer na segunda-feira.
Explico minha visão direitinho, mas não irei desenhar, não adianta pedir.
1. Temer é parte da articulação que elegeu e reelegeu Dilma, está implicado no Lava Jato até a medula, mas teve que assumir sem sua contraparte petista que foi impitada. Ficou o vazio e para preencher chamou o PSDB;
2. PSDB aceitou, mas meio a contragosto,  quer ver Temer enfraquecido para assumir o governo em 2019 sem o PMDB no calcanhar.
3. Para queimar o filme de Temer e limpar a barra do seu governo criou essa tese das tais “reformas”, argumentando que eram fundamentais e que Temer seria o novo Itamar, etc (já comentei aqui isso);
4. Temer reagiu, não aceitou ser transformado numa frauda descartável e criou dentro do Planalto um grupo chamado “pessoal da pinguela” que defende ser a única tarefa de Temer passar o governo para o vencedor da eleição de 2018 em bom estado, com o desemprego e a crise econômica sob controle;
5. Começou o embate e o PSDB deu um ultimatum, ameaçou ajudar a derruba-lo e ampliar o déficit da cadeia em Curitiba, sob os auspícios do juiz Sérgio Moro;
6. Temer recuou e aceitou ir para o sacrifício. O PSDB tomou a frente das tais reformas e com muita pressa pois Temer poderia mudar de ideia;
7. Com esse quadro de conflito a tal greve geral pode forçar um desfecho surpreendente. Caso seja uma manifestação grande, maior e mais amplas que as de antes do impeachment, Temer recua e manda suspender a tramitação da reforma da previdência, salva o dia, sai como herói e pode fortalecer o PMDB para um melhor posicionamento em 2018 atraindo forças mais a esquerda. Caso as manifestações sejam fuleiras e caracterizadas como petistas ou lulistas, ele manda o enterro seguir e o PSDB bate o último cravo do caixão.

GREVE GERAL, DERRUBA O CAPITAL!


A palavra de ordem "GREVE GERAL" é cheia de boas e divertidas lembranças dos meus anos de UFPE, lá no início dos anos oitenta. Naquele tempo era a ideia da moda, não entre os estalinistas, como eu, que esperavam uma revolução de repente, de supetão, mas entre os grupos trotskistas que tinham a tal greve geral como uma espécie de anunciador da revolução, como os clarins de Zé Pereira fazem com o carnaval no Recife.
Mas, não ficava por aí, tinha um grupo mais radical e liberado que defendia algo muito mais avançado e radical: o coito anal para derrubar e enfraquecer o capital.
Eu explico: O coito anal, como um método contraceptivo natural e eficiente, não reproduz o exército de desempregados que é a base da exploração capitalista, assim, enfraquece o capitalismo. Usado em larga escala pode até derrubar toda a estrutura imperialista, opressora, machista, moralista e cristã que sustenta o capitalismo
O coito anal enfraquece especialmente a indústria farmacêutica que vende a pílula que envenena as proletárias. Uma exceção honrosa deve ser registrada, a Johnson & Johnson que fabrica o KY, arma fundamental do revolucionário.
Rarará!

19 de abr de 2017

O ABRAÇO DOS AFOGADOS


Foi divulgada uma pesquisa do DataPoder360 com algumas revelações interessantes que eu queria compartilhar com vocês.
  1. REJEIÇÃO ASTRONÔMICA | Lula possui uma rejeição astronômica, 59% dos entrevistados rejeitam o ex-presidente nesse momento. Esse número tem viés de alta, tende a crescer no transcorrer de um possível período eleitoral.
  2. REJEIÇÃO ASTRONÔMICA PLUS | Aécio consegue chegar a 66% de rejeição, superando Lula com o mesmo viés (Serra com 58% e Alckmin com 54%).
É o abraço dos afogados, uma demonstração que o povo brasileiro compreende o caráter orgânico da ligação dos dois agrupamentos – PT/PSDB – que dominaram a política do Brasil dos últimos vinte anos. Acho essa a maior e mais sintomática mensagem da pesquisa, entretanto, existe outras mensagens menores: Bolsonaro aparece em segundo lugar, mas já está sendo substituído por Dória. A tal onda ultraconservadora de Bolsonaro captura 19% dos eleitores e tem viés de baixa. Dória, por outro lado, avança no terreno de Bolsonaro e de outros candidatos ligados ao PSDB com um fortíssimo viés de alta representado por 53% de desconhecimento. Quanto a possibilidade de Lula indicar outro candidato, como o Haddad, aparece com apenas 18% de aceitação, era 39% na primeira eleição de Dilma.

Viste a pesquisa completa AQUI!

18 de abr de 2017

UM JUIZ A ALTURA DE LULA

Cheguei a conclusão que meu vizinho petista não deseja um julgamento justo para Lula e sim o Juízo Final, aquele narrado por São João no Apocalipse.
Ele não compreende as limitações da Justiça humana, não compreende a necessidade de um objeto e uma limitação para haver um julgamento, não compreende que só pode fazer parte de um processo algo que está relacionado a ele.
A Justiça dos homens é assim, limitada e cheia de falhas. Mas a Justiça Divina não, é absoluta. Num julgamento Divino todos seriam julgados, até o pessoal do PSDB não foram citados pelo Janot, com provas incontestáveis, aquelas que só Deus pode conhecer e não a PF coxinha, sem a imprensa golpista, sem o Ministério Público para atanazar com PowerPoints, sem a população para bater panelas sem a autorização do PT, de forma perfeita, tranquila, inapelável, irrecorrível, sem jurados, sem mentiras e sem as imperfeições e limitações da Justiça humana.
Desta forma Lula poderia tratar o Juiz com algum respeito, quase como um igual, como se fosse o Hugo Chaves.

10 de abr de 2017

NÃO PRECISAMOS DE UMA CONSTITUINTE, PRECISAMOS DE UM ANTIVÍRUS ATUALIZADO

Recentemente a Folha de São Paulo fez um editorial lançando a ideia da defesa de uma Assembleia Nacional Constituinte como resposta aos problemas criados pela passagem do PT pelo poder.
Aqui posso opinar com conhecimento de causa. Participei ativamente do processo constituinte que aconteceu de 1986, que iniciou com a eleição dos deputados constituintes, até a promulgação em 1988. Foi uma época rica e intensa, tudo no Brasil foi debatido e questionado.
Será que vivemos algo semelhante hoje?
A Constituição é o sistema operacional do País. Após instalado cria o ambiente para tudo mais acontecer, num sentido bem amplo. Regula, cria as regras gerais e protege as áreas vulneráveis.
Temos um sistema operacional, uma Constituição, adequada, moderna e bem resolvida. Tem se mostrado robusta e suas instituições funcionando bem.
Mas não fomos bons usuários, permitimos aplicativos contaminados por vírus e outras pragas. Ao instalamos um antivírus, descobrimos que nosso sistema estava severamente comprometido, o que o deixava lento e improdutivo. Ora, o que se faz quando se encontra um vírus? Atualiza o antivírus ou substitui o sistema operacional? A Folha acha que devemos parar tudo e instalar um novo sistema. Um novo SO não garante segurança contra vírus e ainda cria sérios transtornos, atrasos e brechas na segurança. Não é necessário mudar de sistema operacional. O que mantém um ambiente longe dos vírus, seguro e produtivo é atenção cotidiana, evitando práticas inseguras e mantendo atualizado e ativo o antivírus.
Em 2018 vamos escolher novos “aplicativos” da Constituição. É importante fazer uma varredura e só aprovar aqueles que passem pelo crivo de segurança.

5 de abr de 2017

QUEM SERÁ O VICE DE LULA?

Deparei-me hoje com alguns amigos debatendo esse assunto. É um assunto rico e revelador. Vamos fazer umas reflexões:
1. ASPECTO JURÍDICO | A Lava Jato continua trabalhando e tudo indica que Lula será transformado em mandante do Petrolão. Outras ações em andamento também poderão fazer o mesmo. Não acredito Lula vá para cadeia numa data próxima, pois criaria uma instabilidade. Acho que deverá acontecer, mas em um outro momento. Podemos chegar a uma situação onde o ex-presidente Lula não estará em condições de concorrer a nenhum cargo público, mas fora da cadeia. O próprio Lula aceitará isso com alegria.
2. ASPECTO DE MARKETING | Manipular estatísticas para se manter como um candidato às eleições de 2018 é uma tática para conseguir criar a instabilidade necessária e manter-se fora da cadeia. A tática funciona bem entre os petistas que permanecem alheios aos acontecimentos, habitando uma realidade paralela e distorcida pela frustação. Ora, uma candidatura vitoriosa de Lula em 2018 seria o chamamento do sonho, a transposição do desejo frustrado para a realidade, a vingança do injustiçado. É um discurso fácil e entra docemente como um afago nas mentes traumatizadas pelo impeachment. Como bônus mantém o PT vivo e os partidos satélites subalternos subservientes.
3. ASPECTO POLÍTICO | Fazer política é juntar pessoas e nesse sentido existe uma contradição fatal na candidatura de Lula, ela foi lançada justamente para dividir e não para juntar. A instabilidade criada não é pela sua capacidade de juntar a Nação num projeto e sim pela ameaça de colocar o país à beira de uma guerra civil. Sob uma ótica política Lula candidato ou presidente, aprofundaria a crise e quem sairia perdendo seria justamente o PT e a esquerda (pobre esquerda, sequestrada e com síndrome de Estocolmo). Assim não faz sentido político uma candidatura sob essas condições.
Considerando tudo isso, debater o vice é um exercício de imaginação sem nenhuma serventia prática, um mergulho numa realidade paralela, num sonho. Quem será o vice do meu pequeno mundinho onde Lula é o presidente? Kátia Abreu, responde alguns mais afoitos. Rarará! Nem em sonho petista tem sossego.