24 de jul de 2013

GAME OVER DILMA

Estamos ainda há muito tempo das eleições, mas o quadro já começa a dar sinais de sedimentação. Um dos fenômenos que está ocorrendo agora é a aproximação do PSB com o PMDB. Eu li esse semana na coluna de política de Leonel Rocha na ISTO É.
''Temer informará a ela (Dilma) que um grupo influente do PMDB defende o rompimento imediato com o Planalto e o apoio à candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).''
Ora, muita gente pode até achar surpreendente, mas esse movimento já era previsto e pode até ser antecipado e explicado usando a teoria dos jogos, chama-se equilíbrio de Nash. Trata-se de uma tendência ao equilíbrio que acontece entre dois concorrentes que aliam-se quando uma situação mostra-se desvantajosa para ambos. É uma espécie se simulação de um jogo de perde (PMDB), perde (PSB), transformado-se num ganha, ganha.
Podemos pensar numericamente assim: Vamos dar valores, a possibilidade maior de vitória vale 2 e possibilidade menor de vitória 1. As manifestações rebaixaram a nota de Dilma sozinha de 2 para 1. Ela precisava vencer no primeiro turno para ter uma nota 2 e essa situação só pode ser seriamente considerada numa aliança ampla. Assim, teríamos o seguinte quadro:

a) PSB + PT + PMDB = 6
b) PSB + PT = 2
c) PMDB+PT = 2
d) PSB+PMDB = 4

Como a possibilidade "a"  foi transformada em "c" por Eduardo, a melhor possibilidade de sucesso para o PSB e o PMDB seria a opção "d". O equilíbrio de Nash está favorecendo a aliança de Eduardo com o PMDB e praticamente excluindo o PT.
Ponto para Jarbas que mesmo não entendendo de Nash vislumbrou esse cenário.
Game Over para o PT.

PS.: Ficou uma coisa sem uma explicação clara, a razão de na alternativa "d" a soma ser "2+2" e não "1+1". Explico, seria devido a possibilidade real de vitória em segundo turno. Caso Eduardo passe para o segundo turno numa aliança com o PMDB ele vencerá o segundo turno em qualquer cenário. O mesmo não pode ser dito do PT. Assim, as possibilidades do PSB aliado ao PMDB valem um "2" enquanto as do PT, mesmo passando para o segundo turno, valem apenas um "1" pois a possibilidade de derrota é muito maior.

Nenhum comentário: