10 de jan de 2013

A ESTRANHA VENEZUELA


Essa tal Venezuela é meio estranha. Dizem que é uma democracia, mas sendo um regime presidencialista o vice nomeado e pode ser demitido (o sonho dourado de muitos prefeitos, Rarará!). Esquisito. O supremo tribunal é nomeado, tudo bem, mas pode ser demitido desde que aprovado pelo congresso (como assim!) e por aí vai.
É uma hipertrofia do poder executivo. Caso o cidadão consiga maioria no congresso e domine as forças armadas pode jogar no lixo todas as ideias de Montesquieu sobre o estado moderno e a divisão dos poderes.
Eu sempre parto dos "princípios pétreos" de que, primeiro, o povo precisa de democracia para lutar por dias melhores, segundo, que o melhor ambiente de se viver é o plural e terceiro, o destino da nação não deve está atado a ninguém e de ninguém emana a não ser da democracia e da pluralidade.
Assim, não acredito e vejo com desconfiança esse modelo da Venezuela. Considero Chaves um caudilho e um perigo para todos os latino-americanos.
Não enxergo como uma ameaça terrível o tal perigo imperialista. Muitos países como a Noruega possuem grandes reservas de petróleo e construíram democracias com elevado bem estar para o povo negociando com outras nações imperialistas.

Nenhum comentário: