12 de dez de 2012

RESPOSTA A UM VELHO COMPANHEIRO DE LUTA


Meu caro, obrigado pelo alerta de que estou sem referência política e ideológica. Vindo de um velho e bom amigo, de tantas lutas, escuto e levo em consideração. Felizmente, não posso dizer o mesmo de você, acho que está bem referenciado e ideologicamente definido. Fico feliz. Mas, mesmo perdido e sem nenhuma referência, continuo tentando perseguir duas qualidade que acho importantíssimas: humildade e prudência.
Humildade para não me achar dono do conhecimento total ou proprietário da verdade absoluta, e prudência para, sendo humilde, refletir sobre o mundo e formar um juízo razoável. Orientado pela humildade, pela prudência e refletindo com a parca inteligência que tenho, fui conduzido a outro caminho, a outras referências e até a outras ideologias, por que não.
Os gregos diziam que a inteligência, antes de ser uma dádiva, é um fardo, uma vingança dos deuses e concordo com eles. Sou-lhe sincero, preferia ter nascido menos inteligente do que infelizmente sou. Teria mais amigos, mais mulheres e suportaria melhor os patrões e os dirigentes. Seria melhor para mim e para a minha família. Mas não, carrego sempre esse peso, sempre estrago tudo tirando minha próprias conclusões e ainda existe esse verme tirânico beliscando minha alma, dizendo baixinho no meu ouvido:
─ Vai! Fala!
E eu não me controlo, vou e solto o verbo. Esse verme é a ousadia.
Ser acusado por você e muitos outros velhos companheiros de posicionar-me ao lado da direita ou de ser de direita não me atinge. Conheci de perto pessoas da direita, na vera, que tenho imenso respeito e ser comparado à eles apenas me causa orgulho. Mas serei de direita, terei revisado minhas posições? Não, sou teimoso, quase insuportável. Prefiro continuar a pensar e agir pela esquerda, o caminho mais difícil, mesmo sabendo que serei ignorado, humilhado e até forçado a ficar ao lado de pessoas ─ as defendendo ou calando ─ que não são nem uma sombra moral de muitos acusados de serem reacionário, ou coronéis que tive o imenso prazer de conviver.
Não é fácil ser da esquerda. Nunca me trouxe nenhuma vantagem. Quando jovem fui duramente criticado pelos meus familiares por arriscar meu futuro. Quando maduro continuo sendo criticado pela mesma razão.
Percebo, bom amigo, que muitos também são assim, como eu, e gostam de me ver independente, corrosivo e irreverente. Sou como um espelho.
É importante alguém que alerte, alguém que grite da beira do rio:
─ Cuidado, não deixe a correnteza levar o barco!
Finalizando, agradeço ao alerta bom amigo, continuarei sem referência, mas livre para pensar e erra por minha conta e risco.

4 comentários:

Rildo disse...

Fico feliz em saber que há essa dúvida em você. Nem tudo está perdido... A razão poderá lhe guiar para o caminho da liberdade, tão importante para os egos humanos. Não espero que você da noite para o dia vire um libertariano, mas que use a lógica para ver o que há de errado em tanta coisa que normalmente se tem como verdadeiro, mesmo quando demonstrado não está.
Um abraço, Rildo

Cláudio Cabral disse...

Obrigado Professor Rildo.

Brega Presley disse...

Cláudio, se tem uma coisa que me assuta é quando eu, que sou de esquerda, por discordar de certas políticas governamentais, ou achar que cabe, sim, esclarecimentos, sou taxado de "direitista".

Alguns colegas se esquecem que o socialismo não é a "unica via" de esquerda, que existem bons pensadores, por exemplo, ligado ao mutualismo, e que a preocupação de alguns não é somente o capitalismo selvagem, mas igualmente, o totalitarismo e a ausência de um debate minimamente saudável sem apelos e classificações simplórias.

Enfim, bom texto. Abraços.

Cláudio Cabral disse...

Justamente. Esse clima de crise no PT cria esse tipo de comportamento onde, se você não estiver alinhado com o pensamento petista é reacionário. Terrível.